Rio Sado – uma reserva natural que corre para Norte

O Sado é um rio tipicamente alentejano. Resiliente, sereno e de convicções fortes. De tal modo que é dos poucos rios portugueses que corre de Sul para Norte.
Nasce no Baixo Alentejo, na serra da Vigia, próximo de Ourique. Percorre depois 180 km pelo Alentejo Litoral até desaguar no oceano em Setúbal.

Estuário do Sado - Setúbal
Estuário do Sado – Setúbal

Pelo caminho alimenta a albufeira da barragem do Monte da Rocha que nos últimos anos tem sofrido o efeito da seca.
Há alguns séculos atrás o seu principal porto era em Alcácer do Sal. No entanto, hoje, é no estuário que o Sado se manifesta mais exuberante e com um rico património natural. É toda a área que vai de Alcácer do Sal até Setúbal que, de certa forma, corresponde à Reserva Natural do Estuário do Sado.

Alcácer do Sal
Alcácer do Sal

Tomás Ferreira, mestre de uma embarcação já fez várias vezes este percurso. Diz que “na ligação do estuário até Alcácer do Sal a cor fica um pouco mais escura e as margens são semi-pantanosas. São terrenos associados aos arrozais e é uma região mais propicia à vida selvagem. A riqueza da avifauna está presente em todo o caminho. “ Tomás Ferreira diz ainda que é preciso conhecer o rio porque a ligação fluvial “até Alcácer exige algum cuidado, o rio Sado não é muito fácil de navegar”.

O Sado alarga-se mais no estuário e divide-se em dois canais. Um próximo do porto, na zona norte, e outro junto a Troia.

Estuário do Sado
Estuário do Sado

Nesta zona, próximo de Setúbal, os visitantes dão preferência aos golfinhos. “A principal reação é de espanto. Os golfinhos são maiores do que as pessoas esperam e muitas vezes aproximam-se do barco e interagem com brincadeiras. Por outro lado, os golfinhos estão no seu habitat natural e o modo como se comportam gera ainda mais espanto e curiosidade por parte das pessoas.”
siteg_barco_setubal_3322Estudos apontam para uma família de cerca de 25 roazes cordineiros, também designados golfinhos do sado. A maior parte do tempo andam junto do canal sul, próximo de Troia, a península que separa o oceano do estuário.

site_alcacer_hdr1Na região de Alcácer do Sal evidencia-se a avifauna. Os arrozais dão um forte contributo. Podemos ter uma visão geral do alto do monte do castelo ou uma perspetiva mais próxima com passeios de barco organizados pelo município em dois gaveões do sal, uma embarcação tradicional.
CarasqueiraAo final da tarde, ao por do sol, seguimos a sugestão de Rita Torres, do Turismo de Alcácer do Sal, e vamos ver o lindíssimo cais palafitico da Carrasqueira. “É um lugar com um enquadramento natural e uma luz fantástica devido aos reflexos na água. Muitas companhias de moda já produziram aqui catálogos e o lugar também é muito procurado por fotógrafos amadores.”
CarrasqueiraCada passadiço dá pelo menos para dois ancoradouros e é frequente ver pessoas a tratar das redes, limpar os instrumentos da faina e transportar a pesca para o cais e as arrumações que estão próximas.

Rio Sado – uma reserva natural que corre para Norte faz parte do programa da Antena1, Vou Ali e Já Venho, e a emissão deste episódio pode ouvir aqui.

O Vou Ali e Já Venho tem o apoio:Af_Identidade_CMYK_AssoMutualistaAssinaturaBranco_Baixo

Rio Sado – uma reserva natural que corre para Norte