O Museu da Cerâmica Vieira é de certa forma um museu vivo porque mostra faiança produzida com métodos tradicionais de há mais 150 anos e ao mesmo tempo podemos ver artesãos a trabalhar.


Os visitantes são convidados a percorrer as instalações e acompanhar de perto todo o processo produtivo que é prolongado. Depois de moldada a peça na roda do oleiro fica a secar três a quatro dias.

Peças a secar o barro
Peças a secar o barro

Quando o barro já está mais duro retira-se o excesso e faz-se o acabamento. É nesta fase que se colocam as pegas nas peças que têm essa estrutura. Volta a secar mas agora durante duas semanas. Tem depois a primeira cozedura no forno durante sete horas a 1.700 graus. Segue-se a pintura com o banho branco que é o “vidraço” e depois pintado à mão. A peça regressa mais tarde ao forno.

Lúcia Matos a moldar o barro
Lúcia Matos a moldar o barro

Num dos pavilhões Lúcia Matos é quem dá forma ao barro que resulta de matéria prima proveniente do Continente e da ilha de Santa Maria.
A produção segue as técnicas tradicionais, praticamente desde a fundação da cerâmica que tem mais de 150 anos. Foi fundada em 1862 e vai na quinta geração da mesma família.

Azulejos
Azulejos

A faiança é maioritariamente para fins utilitários e seguem também um design tradicional.
Enquanto conversa comigo Lúcia Matos continua a moldar as peças com as mãos na roda de oleiro. Ela trabalha aqui há 21 anos e aprendeu a arte na cerâmica.
Lúcia estava a moldar uma caneca com a pasta de barro que tem uma tonalidade acastanhada mas depois da cozedura fica vermelha.

Peças com pintura cor de rosa
Peças com pintura cor de rosa

Uma situação relativamente parecida com a pintura. A tinta que desenha os motivos, quase sempre florais, é cor de rosa mas depois de ir ao forno fica azul.
A tradição da louça e dos azulejos é o fundo branco envidraçado com pinturas a azul.

Sala de pintura
Sala de pintura

A secção de pintura fica ao lado, É um trabalho minucioso, exige firmeza no traço e muita concentração.

Peças a aguardar mais uma cozedura
Peças a aguardar mais uma cozedura

A Cerâmica Vieira é a única que fabrica faiança vidrada nos Açores e que desenvolve toda a produção nas suas instalações. O mesmo sucede com a produção dos azulejos que são feito e pintados manualmente.
Ao longo dos vários pavilhões vemos outros instrumentos para a feitura da cerâmica e também inúmeras peças. Umas à espera do forno outras da pintura.

Painel identificativo da Cerâmica
Painel identificativo da Cerâmica

O Museu da Cerâmica Vieira está no concelho de Lagoa, na ilha de S. Miguel, junto à estrada. É fácil de identificar devido ao enorme painel de azulejos onde se anuncia e diz produzir loiça regional desde 1862. O painel de azulejos é branco e azul

Screenshot 2019-02-20 at 00.40.26
Este programa contou com ajuda à produção da Ilha Verde Rent a Car

Museu da Cerâmica Vieira faz parte do programa da Antena1, Vou Ali e Já Venho, e a emissão deste episódio pode ouvir aqui.

O Vou Ali e Já Venho tem o apoio:Af_Identidade_CMYK_AssoMutualistaAssinaturaBranco_Baixo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s