O património da Linha do Oeste

Viajar nos cerca de 200 km da Linha do Oeste é assistir ao vivo a um documentário sobre a criação dos caminhos de ferro em Portugal.

É via única. Uma composição tem de esperar numa estação pela que vem em sentido contrário
É via única. Uma composição tem de esperar numa estação pela que vem em sentido contrário

A circulação ferroviária na Linha do Oeste, entre Lisboa e a Figueira da Foz começou no final do século XIX e nos dias de hoje podemos ver uma parte substancial do património de muitas estações que ainda é o original.
Como precisa Paula Azevedo, arquiteta da Unidade de Património Histórico e Cultural da IP Património “os padrões são os originais com edifícios de arquitetura simples semelhantes à típica casinha portuguesa.”site_linha_oeste_mafra_3618

Uma outra faceta destes edifícios são os azulejos que começaram a ser colocados nas paredes das estações há cerca um século.
Mafra, Torres Vedras, Bombarral, Óbidos, Caldas da Rainha e Leira são algumas das localidades por onde passa a linha de via única do Oeste e os azulejos vão retratando a realidade iconográfica de cada região. Em alguns lugares como Torres Vedras e Bombarral há muitas referências à agricultura e à vinha.

Estação das Caldas da Rainha com uma figura do
Estação das Caldas da Rainha com uma figura do “roteiro bordaliano”, a Fonte das Rãs

Há também azulejos alusivos a monumentos, etnografia e, por exemplo, nas Caldas da Rainha sobressai o trabalho de Rafael Bordallo Pinheiro. As praias são também retratadas tendo em conta que a linha do Oeste percorre uma zona turística e balnear.site_linha_oeste_mafra_3620

Em algumas estações encontramos painéis de azulejos de desenhadores e ceramistas relevantes no século XX. Alguns painéis foram renovados recentemente num trabalho minucioso que esteve a ser desenvolvido pela Infraestruturas de Portugal (IP). Noutras estações há também azulejos dos prémios atribuídos do concurso “Estações Floridas” que o Estado Novo promoveu para as estações terem espaços ajardinados e embelezados.site_linha_oeste_malveira_3616

A viagem de comboio leva-nos também à era do vapor. Conseguimos ainda ver muitos equipamentos utilizados para alimentar a caldeira da máquina. “Por exemplo, na estação da Amieira podemos encontrar depósitos de água, uma toma de água, uma placa giratória, cais cobertos… todo um ambiente que parece que parou no tempo e faz essa referência à era do vapor.”

Estação de Alcântara em Lisboa
Estação de Alcântara em Lisboa

Algumas destas locomotivas eram montadas num edifício junto à estação de Alcântara em Lisboa onde se iniciava a viagem. Agora começa em Mira-Sintra Meleças.site_linha_oeste_malveira_comboios

A construção foi um projeto atribulado com muitos entraves e adiamentos. Só com a Companhia Real dos Caminhos de Ferro o projeto entrou nos eixos e no dia 2 de Abril de 1887 foi inaugurada a ligação de Alcântara ao Cacém.

A paisagem de terrenos agrícolas é uma dominante na viagem
A paisagem de terrenos agrícolas é uma dominante na viagem

Um mês e meio depois foi a vez do troço até Torres Vedras e no ano seguinte completava-se a ligação até à Figueira da Foz. Em 1889 foi concluído o ramal de Alfarelos que liga a Linha do Oeste à Linha do Norte.
Um dos objetivos do caminho de ferro era impulsionar o crescimento económico das várias regiões, ricas em agricultura ou na exploração do Pinhal de Leiria. Na verdade, em alguns casos, o comboio chegou primeiro do que a rodovia para assegurar o transporte de mercadorias.

site_linha_oeste_3613

Alguma da história da ferrovia em Portugal pode ser descoberta com as Jornadas Europeias do Património que terminam este domingo e envolvem várias iniciativas relacionadas com o transporte ferroviário.

site_JEP2019_1

site_JEP2019_2

Estão agendadas visitas ao Metropolitano de Lisboa e às estações do Rossio e do Oriente, em Lisboa. Também há uma visita ao Museu Nacional Ferroviário no Entroncamento, onde está a decorrer o Festival do Vapor.
O património da Linha do Oeste faz parte do programa da Antena1, Vou Ali e Já Venho, e a emissão deste episódio pode ouvir aqui.

O Vou Ali e Já Venho tem o apoio:Af_Identidade_CMYK_AssoMutualistaAssinaturaBranco_Baixo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s